Eu gosto da alegoria que o Hobbit representa. Poder viajar o mundo todo com a certeza de poder voltar para casa. Pro hobbit, seja o Frodo ou o Bilbo, o mundo é um grande quintal em que se vive aventuras, e mesmo assim, não há lugar melhor que um condado para chamar de seu.

É interessante como eu me sinto assim antes de viajar. Gosto da ideia de ter um lugar ao qual pertenço e saber que posso voltar, mas isso antes de ir, pois quando estou lá – onde quer que seja – voltar parece tão irreal e desnecessário. Mas sei, lá no fundo – pois vivi assim por anos – que eu sou a minha própria casa, objetos são acessórios para o conceito de lar. Isso deixa mais fácil a vida, pois sabemos que qualquer cantinho será um lar completo, independentemente do tamanho e do CEP. E se formos falar em números, o que torna um lugar em lar, não é o CEP e sim o CPF.

Viver viajando com crianças

Viver na estrada, onde o horizonte é o limite é o sonho de muita gente. Viver viajando, sem estar ancorado a lugar nenhum. Alguns falam em conhecer o mundo todo, outros querem apenas um longo retiro para reconhecerem a si mesmos. Antes os viajantes solitários eram quase que lobos eremitas, depois de um tempo surgiram os casais que viajam o mundo e, por agora, tenho encontrado vários relatos de famílias que vivem viajando com crianças. São os novos modelos de nômades.

Quando li Mongólia, do Bernardo Carvalho, fiquei impressionada com as comunidades nômades que se desfaziam e refaziam de acordo com a vontade deles. Simplesmente não havias endereço fixo para ninguém, uma população maciça se deslocava.  A vida é curta demais para gastar acumulando bens, que ficarão por aqui quando eu morrer. Não sou nenhum tipo maluco-beleza ou totalmente desprendida de bens materiais, mas sei que tudo vira pó no fim, inclusive eu.

Viver viajando de bike

E daí que nós somos reflexo das nossas experiências e da maneira com que lidamos com elas e o mundo é grande demais para se ficar em um lugar só. Eu não quero uma TV que custe o preço de uma viagem, afinal a melhor TV do mundo é a paisagem diante dos meus olhos, e é um programa sem reprise. A melhor vida que eu poderia querer viver é a minha e só ela.

Mas viver e pensar assim é fácil quando não há crianças envolvidas, pois como incluí-las nesse projeto de vida? Depois de me inspirar em tantas famílias gringas que saem por aí até de bike, viajando pelo mundo com os filhos, quebrando todos os paradigmas possíveis sobre viajar-ou-não-com-os-filhos e qual-a-melhor-idade-para-começar-a-viajar, eu me pergunto: e a escola, como fica?

Viver viajando com o circo

No Brasil, viver viajando em família pode ser um desafio, já que as crianças precisam ir à escola e o homeschooling ainda ensaia os primeiros passos. Aparentemente, é uma decisão que varia para cada estado. Amyr Klink encontrou uma solução: costuma velejar com a família no período de férias escolares, aproveitando para rever a Antártida no veleiro.

Com acesso à internet, é possível aprender praticamente qualquer coisa hoje. Mesmo. A Khan University, por exemplo, oferece cursos gratuitos de matemática e outras disciplinas na plataforma. Foi uma revolução na forma de ensinar. Imagina aprender química online em vários cursos online, assistindo uma vídeo aula de química enquanto visita o Parque Nacional de Yellowstone?  **_**

Viver viajando e estudar online

Enquanto casais sem filhos conseguem mais flexibilidade, os profissionais do circo são, por enquanto, os únicos amparados por lei que vivem este sonho e sabem que, na prática não é tão poético assim. É uma realidade dura para quem está acostumado aos confortos de uma casa fixa no chão e que, de repente se vê longe de tudo e de todos a qualquer momento. Para os profissionais do circo que enfrentam as estradas brasileiras com a família, a lei protege as crianças com garantia de vaga no ensino público por onde passarem.

Nem sempre funciona bem, já que a grade curricular varia para cada escola, mas com a internet já é possível que os alunos façam aulas de reforço online para temas difíceis como química para vestibular e até mesmo cursos para concursos. Matemática e inglês também tem inúmeras ofertas , inclusive em sites destinados ao homeschooling.

Viver viajando: a crise do palhaço

O filme O Palhaço retrata bem o ritmo de vida de quem está acostumado a estar sempre pronto para partir. O palhaço interpretado por Selton Mello tenta levar uma vida “normal” até perceber que seu lugar é na estrada. E assim, viajantes e nômades profissionais seguem suas vidas, contabilizando o tempo quilômetros rodados, descobrindo um pouco mais dos outros e de si mesmos em cada cultura e povoado por onde passam.

Por Laryssa Caetano

Comentários

Comentários