Entrar na faculdade é um momento extremamente importante e marcante na vida de qualquer pessoa. Porém, no Brasil, alguns trotes – as chamadas “brincadeiras” que eram feitas por veteranos no primeiro dia de aula dos novos calouros – passaram dos limites e se tornaram verdadeiras tragédias.

O primeiro trote universitário no país, em 1831, acabou em morte na Faculdade de Direito de Olinda. Desde então, a maioria das instituições proíbe a prática, de forma a evitar violência e ensinar que a Universidade é um lugar pacífico, de conhecimento e equilíbrio.

Como uma alternativa para a natural euforia que muitos alunos sentem no primeiro dia, foi inventado o Trote Solidário, que tem feito muito sucesso atualmente por continuar como uma forma de boas-vindas aos alunos, mas também integrá-los com atividades interessantes. Ao final, é feito uma ação benemérita para ajudar muitas instituições e de forma inteligente, acaba por ajudar o próximo.

A ESAMC (Faculdade de Negócios, Comunicação, Engenharia e Direito) é uma das universidades que trabalha em prol do Trote Solidário com sucesso. Segundo informações da instituição, o objetivo é trazer alegria e motivação para os novos alunos e também familiarizar a todos com os cursos e instalações.

Entre as ações solidárias já feitas estão: arrecadação e doação de alimentos, agasalhos, e até ração para animais abandonados que são cuidados por ONG’s. Para a ESAMC, é uma forma de consolidar práticas educativas de forma divertida e cidadã. E a participação dos alunos é sempre gratificante.

Comentários

Comentários